Untitled Document
index oficina do texto quem somos cases servicos oficina do texto clientes contato
 


Seminário discute os impactos dos acidentes de trânsito no Brasil






No Brasil, 12 pessoas morrem em acidentes de trânsito por minuto e, a cada 1 minuto, uma fica sequelada. Segundo o Ministério da Saúde, em 2014, 43.760 pessoas perderam a vida em acidentes de trânsito, o que significa uma a cada 12 minutos. Além das fatalidades, de acordo com o seguro DPVAT, 595.693 vítimas de trânsito foram indenizadas no mesmo ano, aproximadamente 1.632 pessoas por dia.

O impacto destes acidentes na economia do país foi o principal tema discutido no evento Café com Seguro Especial, realizado no dia 25 de maio, pelo Sindseg SP, em parceria com a Academia Nacional de Seguros e Previdência. O evento contou com a presença do Mauro Batista, presidente do Sindseg SP; João Marcelo Máximo R. dos Santos, presidente da Diretoria e Conselheiro no Conselho Superior da ANSP; e Fábio Racy, presidente do CEDATT e representante da Abramet, e outros importantes representantes do setor.

Durante o encontro, foram realizados dois painéis. No primeiro, comandado pelo José Aurélio Ramalho, presidente do Observatório Nacional de Segurança Viária, foram discutidos os impactos dos acidentes de trânsito nas esferas: mundial, nacional, estadual e municipal.  Entre os dados apresentados, Ramalho ressaltou que os acidentes de trânsito, hoje, são o principal motivo de afastamento do trabalho, segundo o Ministério do Trabalho. Mais de 2,8 mil trabalhadores morreram desta forma em 2014, e mais de 1.500 ficaram incapacitados, gerando um custo de R$ 200 bilhões.

Já segundo o Instituto de Pesquisas Aplicadas – IPEA. Em 2014, o custo estimado aos cofres públicos ficou em torno de R$ 56 bilhões.  Com este valor, seria possível construir 28 mil escolas de Educação Básica ou 1800 novos hospitais.  Se considerarmos os últimos 5 anos de dados disponíveis, esse montante chegaria a quase 250 bilhões de reais, o equivalente a 125 mil escolas ou mais de 8 mil hospitais.

Outro importante impacto é a ocupação da rede pública de hospitais. Atualmente, cerca de 60% dos leitos hospitalares, em todo país, são ocupados por vítimas de acidentes de trânsito, sendo que, em determinadas regiões do país (NO e NE) essa ocupação pode chegar a 90%.

“Perde a sociedade, perde a saúde, perde a educação, perdem os programas sociais. Acredito que todos esses acidentes, impreterivelmente todos poderiam ser evitados se o Brasil adotasse uma nova formação para os condutores, implantasse a educação de trânsito nas escolas do ensino fundamental e, ainda, investisse em campanhas maciças e permanentes de conscientização, que mostrasse as consequências do acidente na vida de todos”, afirma José Aurélio Ramalho, presidente do Observatório Nacional de Segurança Viária.

Já no segundo painel, o diretor da Federação Nacional de Seguros Gerais (FenSeg), Neival Rodrigues Freitas, apresentou os impactos dos acidentes para o mercado Segurador. Segundo dados da FenSeg, em 2016, nos ramos de automóveis e transporte, o setor pagou cerca de 15 bilhões de reais em indenizações decorrentes de acidentes de trânsito. Porém, este impacto não é observado apenas no seguro do veículo, DPVAT ou, ainda, seguro saúde.

Outros produtos deste setor também são impactados indiretamente neste cenário. “O seguro de vida, a previdência (PGBL e VGBL), a capitalização, o residencial, o funerário, o de viagem ou, até mesmo, o seguro de fiança locatícia, também são impactados. Pois, quando temos uma morte decorrente de acidente de trânsito e este cidadão adquiriu um ou mais destes seguros, a seguradora é acionada para pagar a indenização”, afirma Neival Rodrigues Freitas.

Todas estas informações ilustram a necessidade real de um trabalho para tentar reverter este cenário. “A educação e a conscientização da população é a nossa principal arma para diminuir estes números tão alarmante. A sociedade precisa entender que não existe acidentes e sim escolhas. Escolhemos beber e dirigir, falar ao celular no volante, passar em um semáforo vermelho ou ultrapassar o limite de velocidade. São estas atitudes imprudentes que tornam o Brasil um dos recordistas mundiais de acidentes de trânsito”, afirma Mauro Batista, presidente do Sindseg SP.

Homenagem

Durante o evento, José Aurélio Ramalho, presidente do ONSV, entregou para o Mauro Batista, presidente do Sindseg SP, o certificado “Entidade Laço Amarelo”, que comprova que o Sindicato é uma instituição comprometida com a Segurança Viária e engajada com o Movimento Maio Amarelo. O Sindicato é a primeira entidade a receber esta homenagem.

SindsegSP


       
     
         






Busca de Notícias:
Untitled Document
   
   
Releases
Banco de Imagens
Clipping
Cadastro de Jornalistas
  Boletins

 

Untitled Document
Rua José Prado Montoro. 148 - São Paulo - Tel (11) 5631-8444 / (11) 5631-0281 - oficinadotexto@oficinadotexto.com.br